Polícia Federal faz operação contra fraudes no auxílio emergencial em São Luís e Imperatriz

Polícia Federal faz operação contra fraudes no auxílio emergencial em São Luís e Imperatriz

 A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (22), a operação “Animus Fraudandi”, em continuidade ao combate às fraudes a auxílios emergenciais, os quais são pagos a parte da população com dificuldades financeiras em razão da pandemia.

A Polícia Federal já realizou a deflagração de 114 operações policiais visando ao combate às fraudes aos benefícios, com a expedição de mais de 443 mandados de busca e de 50 mandados de prisão. Hoje, estão sendo cumpridos 29 mandados de busca e apreensão, e quatro mandados de sequestro de bens, perfazendo um total de aproximadamente de até R$ 60 mil bloqueados por determinação judicial.

As ações ocorrem nos Estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Santa Catarina, com a participação de aproximadamente 120 policiais federais. Só em Imperatriz (MA) foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão com participação de mais de 30 policiais federais, e, segundo o chefe da operação, o grupo foi responsável pelo desvio de mais de R$ 200.000.

Em São Luís (MA) foi cumprido um mandado de busca e apreensão e um mandado de sequestro de bens e valores com bloqueio judicial de até R$ 21.000, correspondentes ao montante do prejuízo ocasionado aos cofres da União em decorrência da prática criminosa.

Os trabalhos realizados são resultantes de uma união de esforços denominada Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (Eiafae), da qual participam a Polícia Federal, Ministério Público Federal, Ministério da Cidadania, Caixa, Receita Federal, Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União.

Os objetivos são a identificação de fraudes massivas e a desarticulação de organizações criminosas, com a responsabilização de seus integrantes, além de recuperar os valores para o erário.

A operação foi batizada “Animus Fraudandi”, expressão latina que significa “intenção de fraudar”, à qual remete ao caráter fraudulento e intencional dos desvios de valores identificados no curso das investigações.

Destaca-se que em razão da atual crise de saúde pública, foi adotada logística especial de preservação do contágio com distribuição de EPIs a todos os envolvidos, a fim de preservar a saúde dos policiais, testemunhas e investigados. 

Foto de cartões apreendidos na operação da Polícia Federal. 

Compartilhar:

Deixe um comentário